Paris je t’aime – Roteiro a Paris

Como apontei na introdução que fiz a este post Aqui – Paris je t’aime , Paris é uma cidade maravilhosa, que me faz querer voltar e voltar e voltar a voltar.

Tem muito para ver, tem muito para nos apaixonarmos, desde os seus monumentos, á sua arquitectura, ás lojas magníficas, às brasseries, às montras gulosas das pâtisseries, ruas, música, gentes… um sem fim de atractivos para todo o tipo de gostos.

Torre Eiffel
Torre Eiffel
O que é que há para ver em Paris?

Comecemos pelo símbolo mais célebre, a Torre Eiffel. Gustave Eiffel, o projectista deste edificio, fêz-lo assim, o maior da cidade. Fica no Champ de Mars, um dos campos mais verdes da cidade onde muitos parisienses e turistas aproveitam para se esticarem na relva, passearem, fazer jogging, é hábito ver por aí muitos jovens que fazem do local ponto de encontro.

Champ de Mars
Champ de Mars (foto velhinha…)
Torre Eiffel
Torre Eiffel
Torre Eiffel
Torre Eiffel

A Torre Eiffel tem três andares, que podem ser visitados mediante pagamento de bilhete. Do primeiro nível dá para se ver toda a cidade, tem lojas com maioritariamente venda de lembranças, depois existe o segundo e terceiro piso, sendo este último só alcançável por elevador. Na torre têm algumas opções de Restaurantes. Vista de noite a Torre Eiffel é linda, com a iluminação que vai alternando.

Do outro lado, atravessando a Pont d’léna, temos a Praça do Trocadero, um miradouro excelente para tirar fotografias da Torre e onde está o Palais de Chaillot construído em 1937 para a Exposição Internacional de Paris.

Dando um pulo mais para norte da cidade temos outro monumento muito apreciado pelos visitantes. O Arco do Triunfo.

Mandado construir por Napoleão Bonaparte para comemorar as vitórias militares, encontra-se na praça de Charles de Gaulle e a partir daí descemos pela tão conhecida e magnífica avenida dos Champs-Élysées. Cheia de lojas (como é o exemplo da sempre cheia Louis Vuitton), brasseries, espaços verdes… perdemos-nos por muitos locais quando a percorremos, especialmente se visitarmos logo ali uma das ruas mais luxuosas de Paris , onde se encontram lojas de grandes marcas, a Avenue Montaigne.

558090_4493136402156_1416594129_n 339167_2161747478890_298703397_o

IMG_0405

Continuando a descer a Avenida vamos dar ao Grand Palais e Petit Palais. Um com vários salões de exposições temporárias e o outro museu das belas artes, respectivamente.

Se seguirmos pelo centro dos dois palácios, em direcção ao rio Sena, vamos dar á ponte mais bonita de Paris, a Ponte Alexandre III, magnificamente decorada.

Ponte Alexandre III (wikipedia)
Ponte Alexandre III (wikipedia)

Do outro lado temos o hôtel des Invalides e o seu jardim, mandado construir por Luís XIV, para dar abrigo aos inválidos do seu exército.

Voltando á avenida dos Champs-Élysées, vamos dar á Place de la Concorde, um dos locais mais centrais, a segunda maior praça de França, que como outros pontos tem também na direcção do rio, a Pont de la Concorde, também ela muito bonita e que fica em frente ao Palais Bourbon (Assembleia Nacional de França). Mais uma vez retornando á Place de la Concorde, esta fica mesmo ao lado do Jardin des Tuileries e Museu do Louvre. Este jardim também é muito frequentado, espaços verdes, fontes, restaurantes e por estar mesmo á entrada do Museu.

321762_2161654316561_578647985_o

Para quem quer conhecer o Museu do Louvre de lés a lés… só com uns 3 dias completos dedicados ao mesmo. O mais importante do Louvre? 

Á entrada do Louvre dão-nos um mapa do museu que nos ajuda imenso na nossa visita, através dele sabemos onde ir rápido, se não temos muito tempo e ver o essencial. Algumas obras importantes: Vitória da Samotrácia 200 a.c, a Mona Lisa de Leonardo da Vinci, na arte egípcia O Escriba Sentado, Diadema da Duquesa de Angoulême, Vênus do Nilo, Busto de Akhenathon, Batistério de Saint-Louis, Síria, O código de Hamurabi, Michael Angelo O escravo rebelde, Eugéne Delacroix A Liberdade.

A norte do Louvre temos o Palais Royal (com várias instituições, como o conselho de Estado, a biblioteca nacional e o tribunal constitucional entre outros).

A sul do Louvre em direcção ao rio Sena, temos a Pont des Arts, a tão conhecida ponte dos cadeados. Diz-se que os enamorados que ali colocarem um cadeado, com os respectivos nomes inscritos e lançarem a chave ao rio, terão um amor eterno. A ponte encontrava-se lotada de cadeados, acho que foram mandados retirar por motivos de segurança.

Também temos do outro lado do rio, o igualmente importante Museu d’Orsay, com uma exposição rica em pinturas e esculturas, como Van Gogh e Monet.

Continuando em direcção á Pont Neuf, esta é uma das muitas pontes que dão acesso á ilha da cidade, onde se encontra a catedral de Notre Dame, uma das mais bonitas e antigas.

Notre Dame (wikipedia)
Notre Dame (wikipedia)

Se sairmos da ilha pela Pont de Saint Michel, vamos dar á zona de Saint Michel, a sua praça e a sua avenida . Esta é uma zona com muitas ruas, muitos bares e  vários restaurantes, entre eles um que apreciava muito e fechou 🙁 , Espanhol, com uma paella de marisco maravilhosa!

IMG_0469

Se guardarem a ida á zona de Saint-Michel para o fim do dia (o que aconselho porque tem sempre muita vida), existe um outro local para quem gosta de jazz e passar um bom serão.

Descoberto quando fomos com um casal de amigos, na busca por um local na zona onde pudéssemos conviver mais um bocado, aterrámos no Aux Trois Mailletz . O local não capta logo mas passamos estava aberto e entramos.

Só demos com a mais antiga casa de Jazz de Paris 🙂

Reparámos que havia um espectáculo pago a decorrer na cave deste restaurante/bar-piano/cabaret (este misto) e ficámos com curiosidade de ver, o que não nos foi possível. No entanto, não demorou muito até que na zona onde estávamos, começasse um pianista a soltar algumas notas e vindas de trás do balcão, dois vozeirões deixaram-nos de boca aberta. Pareciam-nos as funcionárias do estabelecimento porque nesse dia tinham as duas um género de vestidos bordeaux, pensámos para nós que se estavam a divertir e que improvisaram aquele momento com o pianista.

Pouco a pouco começaram a percorrer as mesas sempre a cantar, músicas bem conhecidas. Alguns clientes juntaram-se, fizeram alguns pedidos e a casa de repente estava cheia.

Foi um dos locais que me deixou arrepiada, daqueles que vale mesmo a pena descobrir em viagens. Parece que por aquela cave, já passaram imensas lendas do jazz. A actuação cá em cima para quem consegue arranjar uma mesa e quer ficar (sorte nossa nesse dia), é assim feita todas as noites por artistas residentes, que dançam no meio das mesas e interagem com quem os quer ouvir.

Quem vai á atmosfera mágica dos Aux Trois Mailletz fica atraído de tal forma pelo ambiente e simpatia proporcionado que nunca mais se esquece. Já fiz lá amigos e é ponto assente de todos os meus regressos.

Aux Trois Mailletz
Aux Trois Mailletz

Descendo a  Aveinda de Saint-Michel, damos do nosso lado direito com o bonito Jardim de Luxemburgo. Este jardim é um dos maiores e mais conhecidos da cidade. É maravilhoso passear por lá, imensas pessoas aproveitam-no para o jogging. Tem imensas zonas para crianças, tem estátuas, lagos e o Palácio de Luxemburgo, onde é a sede do Senado de França.

12955_1195680407817_2396768_n-2

(tão velhinha too…)

Saint-Germain-des-Prés

Acima dos jardins de Luxemburgo, em direcção ao rio Sena, vamos dar através da Rue de Tournon á zona de Saint-Germain-des-prés. Um avenida com a sua Igreja e bonitos cafés, que ficou conhecida por ser a zona de encontro de intelectuais da cidade. Daí saiu a inspiração dos álbuns de nu-jazz “Saint-Germain-des-prés café”.

Saint-Germain-des-prés (wikipedia)
Saint-Germain-des-prés
(wikipedia)
Chapelle notre dame de la medaille miraculeuse

Se subirmos toda a avenida de Saint-Germain-des-prés, vamos dar á Rue du Bac. Isto para conhecerem uma das capelas que achei das mais bonitas, a capela da Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. Fica no fim da Rue de Bac. A Capela da Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, está relacionada com duas aparições, de Nossa Senhora a Santa Catarina de Labouré, para que esta realizasse a cunhagem de uma medalha com a imagem da Virgem e a distribuísse e assim as pessoas pudessem pedir graças e ser atendidas. Tendo sido na altura em que uma epidemia de cólera fez muitos mortos, dizem que as curas aumentaram para quem pediu a graça e fez a oração da medalha . Á entrada da capela encontram-se imensas placas dos fiéis e pode-se adquirir as medalhas, com as orações em praticamente todos os idiomas.

Le Bon Marché

Mesmo a seguir a Rue de Bac damos com o Le Bon Marché, um centro comercial de luxo, cheio de marcas mas o que espanta aqui é que é lindíssimo! Quando entrei pela primeira vez fiquei de boca aberta. Para além disso, tem um supermercado gourmet “La Grande Epicerie de Paris” com corredores, bancas e vitrines verdadeiramente luxuosos e apetitosos! Então na zona dos queijos… dá vontade de saltar para o lado de lá do balcão!

Le Bon Marché
Le Bon Marché (é de suspiros…)
Galeries Lafayette

Por falar em zonas comerciais, coloco aqui as famosas Galeries Lafayette  também lindíssimas, com imensas marcas e um sem fim de artigos. A estação de metro destinada é a Chaussée d’antin la fayette. 

Galeries Lafayette
Galeries Lafayette
Sacré Coeur

A Basílica do Sacre Coeur, é outro dos pontos mais visitados e que não pode falhar. É o ponto mais alto da cidade, podemos vê-la e aos seus telhados em pleno. A Basílica é ela muito bonita também, aconselho a irem de metro ou autocarro (pelo primeiro é mais rápido, pelo segundo podem ir vendo o caminho). Quando chegarem têm uma imensa escadaria para alcançar a basílica, ou uma elevador (com uma fila enorme…). Nas escadas já bem perto da entrada, muitas pessoas aproveitam para descansar, apreciar a vista da cidade e ouvir os artistas de rua que por aí se sentam a cantar.

335482_2161690677470_1362305379_o

20140223_111957

De frente para a Basílica, contornado o lado esquerdo, quase na sua traseira, apanhamos uma rua á nossa esquerda e vamos pela multidão que vai toda dar a um local, a praça dos pintores, Place du Tertre. A praça é rodeada de restaurantes e no centro, muitos pintores expõem e vendem a sua arte. Houve um tempo em que reduziram o espaço aos pintores e colocaram-nos lado a lado com esplanadas dos restaurantes envolventes, a coisa não deve ter sido muito bem recebida (eu pessoalmente odiei) e agora novamente, só e unicamente se encontram no meio da praça os artistas. Eu não sabia que para além dos restaurantes ali á volta também existiam os ateliers pessoais dos artistas, tive a oportunidade de conhecer o atelier de um, há uns anos. São pequenos pátios interiores e cada um tem a sua sala, onde guardam e pintam para o dia seguinte. 

20140223_123601

Dois locais para comer bem por aí? Um local muito pitoresco, quando descemos um pouco a seguir á praça, do lado esquerdo na Rue Poulbot, temos o Restaurant Le Poulbot. Capta-nos logo pela decoração exterior. Por dentro, é pequenino, tem á volta de 5 mesas, duas delas corridas, uma decoração de muuuuuuitos anos, muito vintage, com um balcão onde o empregado se desdobra para se conseguir movimentar e atender eficientemente as mesas porque a lista de entrada acumula-se. Um local tão giro por fora como por dentro e a comida é divinal. Viva o Confit de Canard!

20140223_122516 20140223_135005

O outro restaurante é mais chic, come-se maravilhosamente bem. Le Moulin de la Galette, percorre-se o resto da Rue Norvins (atentos ao lado direito da rua para verem o Passe Murailles – inspirado numa história de Marcel Aymé, é uma estátua de uma homem que dá a sensação de estar a passar o muro) até aparecer á nossa esquerda a Rue Girardon e aí encontramos o Moulin de la Galette.

32148877.passemuraille

Moulin de la Galette
Moulin de la Galette
Moulin Rouge

Se depois percorrermos toda a Rue Lepic, esta vai desde o Moulin de la Galette, até ao famoso Moulin Rouge. O moinho que deu nome ao filme “Moulin Rouge”, é um símbolo das noites de cabaret parisienses e hoje tem uma vasta oferta de espectáculos.

moulin rouge

Rue du Faubourg-Saint-Honoré

Uma das ruas para babarmos literalmente nas montras de todas as grandes marcas, a rua é extensa e é a casa de maravilhosas montras de luxo, vale mesmo a pena pelas decorações, para quem como eu gosta de moda.

Loro Piana
Loro Piana

 

Bottega Veneta (um mimo estas bonecas cabeçudas)
Bottega Veneta (um mimo estas bonecas cabeçudas)
Hérmes (lindíssimo)
Hérmes
Hérmes
Hérmes

Outras das praças para passar é a Place Vendôme, onde continuam as lojas de grandes marcas e ourivesarias.

Place Vendôme
Place Vendôme

E por perto temos também a Igreja de la Madeleine, que tem uma arquitectura idêntica a um templo grego.

Madeleine
Madeleine
Rue du Rivoli

Outra das ruas famosas de Paris é a rue du rivoli, fica mesmo ao lado du Louvre, com outros tantos espaços comerciais. Um restaurante que vale a pena ser visitado por aí, na Rue du Bourdonnais é o restaurante português Saudade . Dado como um dos melhores restaurantes de Paris, onde se saboreia comida típica portuguesa. É gerido por uma família portuguesa super simpática.

Restaurante Saudade
Restaurante Saudade

fotografia 2-5

Hihi berbigão em Paris
Saudade
Centre Pompidou

O Centre Pompidou é também ele muito conhecido. É um local essencialmente dedicado á arte, tem biblioteca, teatros, várias exposições e o próprio edifício tem uma arquitectura bastante contemporânea e diferente.

Centre Pompidou (4)

Á volta do edificio existem várias lojas de decoração bem diferentes, dá vontade de trazer imensos canecos atrás de nós 🙂

Para sair á noite

Para dar uma saidinha á noite é pela zona du Marais. Abrange várias ruas, mas a mais conhecida é a Rue du Temple. Tem imensos bares e vários ambientes, basta percorrer a zona e escolher o que se quer, é a zona tendência do momento.

Gare de l’est

Uma das maiores estações de Paris, um local de pecado para tomar o pequeno almoço. Quando entramos, damos facilmente lá dentro com as vitrines dos pães e bolinhos que nos entram pelos olhos dentro.

Paris-Gare_de_l'Est-2009

Cá fora, do lado contrário da rua, existe um outro restaurante muito típico francês, La Strasbourgeoise. Têm uma selecção de ostras divinais!

Quai de Valmy

Perto da Gare de l’est temos o Quai de Valmy, um canal para se passear, andar de bicicleta e mais uma vez existem muitos locais que o aproveitam para jogging. Nele existem algumas lojas, pubs, cafés e restaurantes. É muito agradável de se estar, seja de dia ou de noite, também é ponto de encontro dos mais jovens.

thetimes
thetimes

Café Bonnie, é tão giro.O Café Bonnie é um café giro, giro, com uma decoração gira, gira! Pop Art.

parisfrivole.canalblog.com
parisfrivole.canalblog.com

Outro local por aí,  o The Cork & Cavan. Nele temos aquele sistema de troca de livros, onde podemos deixar algum e levar outro do nosso agrado.

IMG_0382
The Cork & Cavan

Ainda outro local é o Hotel du Nord, é um hotel simples e o que capta é o restaurante com uma decoração também muito simples mas muito própria. A comida é de excelência e o ambiente á noite iluminado basicamente por velas, é diferente. A partir de uma certa hora, o restaurante passa a ser bar.

635-restaurant_hotel_du_nord-restaurant_traditionnel-paris-18496
exclusive-restaurants.com
Zona de Bercy

O bairro de Bercy aqui é uma zona a leste longe do centro da cidade mas que vale muito a pena ser visitada. É um espaço novo, com prédios novos e um jardim enorme cheio de árvores enormes. É o género de docas onde existe hoje em dia restaurantes e bares com lojas e um centro comercial.

20140222_115007

 

E fazer uma manicure, pedicura ou maquilhagem dentro desta coisa fofa
E fazer uma manicure, pedicure ou maquilhagem dentro desta coisa fofa

 

Le Théâtre du Merveilleux

Em Bercy, temos o teatro do maravilhoso, que não é um teatro mas sim uma exposição de arte fantástica relacionada. Achei a entrada puxadota mas lá por dentro é um outro mundo. Está inserido nos pavilhões do Musée des Arts Forains e as imagens falam por si.

20140222_154811 20140222_155107 20140222_155248 20140222_155314 20140222_155327

 

20140222_16091620140222_16064920140222_155924

Aconselho 100% a visita a esta parte da cidade.

Transportes

Paris tem uma rede de transportes muito abrangente, o metro chega a todo o lado rapidamente, os autocarros com a particularidade de se ver a cidade, o rer (comboios) também param nos locais mais centrais, tendo ligações com o metro.

No meu caso, para conhecer cidades gosto de andar, conhece-se muito a percorrer cada rua e depois quando o tempo aperta há sempre um metro por perto.

Velib’

Em Paris as bicicletas velib’ são o meu transporte preferido, a cidade está preparada quase na sua totalidade com faixas para as bicicletas, os postos são imensos, é um transporte que não é caro se formos trocando de posto a cada 30mint (para beneficiarmos do tempo grátis ahah). Como são lancheiras dá para colocar a mala, ou sacos, ou o que se precise. Chegamos mais rápido aos locais e é muito agradável (se… não estiver a chover).

20140222_170721 IMG_0436 66990_4493136562160_479506990_n

metro
metro
66948_4493132602061_1864777615_n
Paris

E pronto, foi o meu mini roteiro por uma das minhas cidades preferidas**

KissKiss

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *